Infelizmente essa página não possui suporte a impressão.

Notícias

Aluno do Claretiano é destaque ao memorizar quase 400 datas do calendário brasileiro

06/03/2019 - São José do Rio Preto

Se você acha que memorizar números de telefones; números dos documentos pessoais, como o RG  e CPF; as diversas senhas utilizadas no dia a dia e muitas datas especiais não é uma tarefa das mais fáceis, imagine guardar na memória 394 datas do nosso calendário. Parece difícil, não é? Para a maioria das pessoas sim, mas para Leovaldo Borges de Lima Filho, aluno do Claretiano em São José do Rio Preto, SP, foi muito fácil.

Com 23 anos de idade, Leovaldo é formado em Artes. Atualmente cursa Geografia na modalidade a distância, presta serviços na área da educação e faz o estágio obrigatório que o curso exige. E em 2018 foi destaque por memorizar 394 datas do calendário nacional. Ele conta que há um tempo conheceu o Rank Brasil, uma empresa independente que registra recordes brasileiros, sem vínculo com sistemas internacionais, como o Guinness World Records, e decidiu tentar um desafio. “Quando vi que tinha facilidade para memorizar, escolhi as datas comemorativas como tema e estudei muito. Levei três anos para decidir o tema e nove meses de preparação”, conta.

A dedicação foi tanta que no dia 24 de novembro de 2018 ele entrou para o Rank Brasil pela maior memorização de datas comemorativas, ou seja, Leovaldo conseguiu memorizar 394 dias especiais do calendário brasileiro, listando data por data durante aproximadamente uma 1h20. O evento aconteceu no Hotel San Martin, em Curitiba, e Leovaldo levou para casa um troféu que coroou todo o esforço. “Fui o primeiro a memorizar as datas comemorativas do Rank Brasil”, disse o aluno do Claretiano ressaltando que se dedicava todos os dias para a competição. ” Tinha dias que ficava até 1h30 estudando, outros ficava alguns minutos, mas sempre estava repetindo mentalmente. Além disso, criei pastas no computador com imagens e sempre que tinha oportunidade ficava lendo a lista várias vezes”, explica.

Com os estudos Leovaldo conta que a memorização ajuda um pouquinho na hora das provas, mas não é o procedimento correto, já que decorar não significa aprender. “Utilizo o mesmo método de memorizar as datas (lista-imagem) quando preciso ir bem em uma prova, mas ajuda bem pouco. Na minha opinião, aprender é o correto, pois não é legal memorizar conteúdos em relação aos estudos. Só para as datas!”, enfatiza.

Para conquistar o recorde o aluno do Claretiano conta que foi preciso muito empenho, tanto que existem muitos outros recordistas que extrapolam o comum. “O meu recorde foi mais simples perto destes, pois foram 394 datas, casa das centenas, tem recordistas que chegam à casa de milhares”, conta.

Clique aqui e sabia mais sobre a conquista de Leovaldo.

Foto: Divulgação Rank Brasil

 

 

 

 

 

= =