Equipe Clarengex participa da 25ª Competição Baja SAE BRASIL - Petrobrás

Na última semana, de 20 a 24 de fevereiro, alunos dos cursos de Engenharia Mecânica e Engenharia Elétrica, componentes da equipe Clarengex, estiveram na FATEC São José dos Campos para a 25ª Competição Baja SAE BRASIL - Petrobrás.

O evento de 2019 reuniu 87 equipes de todo o Brasil, juntando mais de 1900 estudantes de faculdades e universidades, públicas e particulares. Durante os cinco dias, os alunos realizam inúmeras atividades, que gradativamente os qualificam para as próximas.

20 de fevereiro, quarta-feira
No primeiro dia, os alunos se dirigiram à São José para participar da abertura do evento e do briefing. Para iniciar essas atividades, os alunos fizeram doações de alimentos, como manda o regulamento da SAE.

21 de fevereiro, quinta-feira
No segundo dia, os estudantes receberam os materiais a serem usados na competição e se dirigiram ao local do evento para o credenciamento. Em seguida, os alunos se posicionaram em seus respectivos boxes para a organização para a apresentação do protótipo. "A SAE BRASIL inspeciona diariamente os boxes, sem horário pré-definido, a fim de verificar se as equipes estão trabalhando dentro das instruções", comentou o Prof. Eduardo Casarin, orientador do projeto Baja no Claretiano - Centro Universitário de Rio Claro.

Ainda na quinta-feira, a equipe passou pela Inspeção de Conformidade Técnica e Segurança (ICTS), na qual são realizadas avaliações estáticas, verificação da integridade da gaiola com inspeção das soldas, corpos de prova, nota fiscal de tubos e respectivos certificados de qualidade, avaliação do motor, verificação da vestimenta do piloto, entre outras. Após essa primeira avaliação, os alunos "passam" ou não de nível, tendo ou não que realizar rechecagens dos itens desaprovados.

A equipe Clarengex recebeu 16 rechecks dessa avaliação e teve duas horas para resolver os problemas. Apesar de ter atendido as solicitações, a equipe com uma última consideração de um juiz sobre a bandeja antirespingo, os estudantes foram desclassificados para as provas dinâmicas do dia 23, provas essas que englobam aceleração, velocidade, tração, lama, suspensão e monobrabilidade.

"Na parte da noite os alunos realizaram o briefing obrigatório e foram elogiados pelos juízes por sua persistência e capacidade de reação rápida ante os desafios", comentou o professor.

22 de fevereiro, sexta-feira
A sexta-feira foi um dia cheio de provas, tais como Avaliação de Projeto Dinâmico, que engloba etapas como: um piloto profissional conduz o protótipo para checar conforto, segurança, resposta frente aos obstáculos, capacidade de transpor obstáculos, sistema de direção, posição dos pedais de freio e acelerador, avaliação de freios, entre outros. A equipe passou por algumas situações de recheck também e por conta de uma tempestade, deixaram para finalizar os testes no sábado, dia 23.

Ainda na sexta-feira, os alunos apresentaram os projetos das 8 áreas de conhecimento abordadas na atividade: suspensão e direção, powertrain, marketing e vendas, gestão, estrutural, design, freios e elétrica e eletrônica. "Esta é a primeira vez que a equipe Baja SAE Clarengex realiza a apresentação do projeto com banners, sendo que as anteriores eram apenas verbais, o que dificultava a visualização das coisas", explicou Casarin.

23 de fevereiro, sábado
Neste dia, as provas não finalizadas foram iniciadas e a equipe passou das etapas de ICTS e APD, que validam o projeto para o enduro, a competição final. "Vale salientar que equipes que já foram campeãs mundiais não conseguiram passar dessa etapa", ostentou Casarin.

24 de fevereiro, domingo
Dia do enduro! Após a chuva, os locais de testes e enduro ficaram cheios de lama, o que causou apreensão nos pilotos. A largada foi dada às 10h e o protótipo foi posto para andar o máximo de voltas possível. "Largamos com uma volta de atraso por conta da penalização sofrida na prova de APD e estava indo tudo bem até que na quarta volta o protótipo, ao tentar transpor uma sequência de valetas, teve um choque severo na roda dianteira direita, a qual levou a uma quebra da estrutura do protótipo e, além disso, devido aos fortes impactos, as barras que suportavam os amortecedores traseiros também sofreram forte deformação. Fim do enduro!", contou Eduardo sobre o fim da competição.

Apesar dos erros e dificuldades, a equipe se classificou 2 números em cima da posição que esteve ano passado (de 64 para 62). Todos os integrantes e participantes se dizem contentes com a experiência e os resultados. Confira o depoimento do professor Casarin:

"Os desafios são muitos mas temos a certeza de que estamos no caminho certo, pois além de contribuirmos para a formação de profissionais diferenciados para o mercado, também estamos contribuindo com a formação humana e o desenvolvimento técnico das práticas de engenharia. Agradecemos ao Claretiano - Centro Universitário pelo apoio e incentivo ao projeto e às práticas de engenharia, aos patrocinadores e apoiadores do projeto e à todos que de maneira direta ou indireta contribuíram de alguma forma para que fosse possível tornar o sonho de vários estudantes de engenharia em realidade".

E nós agradecemos a dedicação de alunos e professores para projetos extracurriculares, tão significativos na vida desses futuros profissionais de engenharia.

Obrigado e parabéns!

A equipe Baja SAE Clarengex existe desde 2014, quando alunos dos cursos de Engenharia do Claretiano - Centro Universitário de Rio Claro decidiram participar da competição anual, realizada pela Petrobras, Baja SAE Brasil.

Desde 2015, a equipe participa do desafio e com muito trabalho duro e dedicação, alcançam melhores posições do ranking a cada ano que passa. A competição reúne estudantes de todo o Brasil para desenvolver um veículo offroad, explorando oito áreas do conhecimento.

São estudantes de engenharia, dos diversos segmentos, que se unem para um único objetivo, colocar em prática a teoria dada em sala de aula.