Infelizmente essa página não possui suporte a impressão.

ENCIC Indígena: 'quero levar o que tenho aprendido à minha comunidade'

15/10/2019 - Boa Vista

O Claretiano – Centro Universitário, polo de Boa Vista, realizou no último dia 12, sábado, o IV ENCIC - Encontro Nacional Claretiano de Iniciação Cientifica – direcionado aos alunos indígenas. Participaram alunos das etnias Wapichana e Macuxi dos cursos de Pedagogia, Administração, Ciências Contábeis, Secretariado, Nutrição, Educação Física (Licenciatura) e Enfermagem, além da comunidade interessada. O evento contou com várias palestras e diversas oficinas direcionadas aos alunos indígenas, professores, tutores e colaboradores do Claretiano, bem como alunos e professores de outras instituições de ensino de Roraima.  Maria Tenener de Almeida, que é aluna do curso Pedagogia participou do evento e ficou encantada com tudo que viu. "Estou gostando e aprendendo muito sobre os povos indígenas que, ao longo da história, perderam a língua materna. Agora estamos tentando resgatar os nossos costumes através dos estudos. Quero levar o que tenho aprendido à minha comunidade e na escola onde trabalho, na comunidade de Socorro, no município de Alto Alegre”, conta.

Elton Barroso é um dos artesãos que participou do evento. Ele faz parte do Projeto Sementes das Artes e realizou a oficina de confecção de colares indígenas. “É uma satisfação imensa como artesão e indígena participar do ENCIC. A expressão através da arte é como uma mensagem do nosso povo. Estou feliz em participar e contribuir com e evento que nos dá a oportunidade de levar nossa cultura par outras pessoas", observa.

Edite da Silva Andrade é professora e há quatro anos participa do ENCIC Indígena. Esse ano ela fez palestra magna sobre o "Exercício Profissional indígena: dedicação ao seu povo, cultura e terra. “Há quatro anos estou no ENCIC para reforçar a importância dos povos indígenas principalmente aqueles que fazem parte do Claretiano. É uma oportunidade de realizar amostras e assim fortalecer a educação escolar indígena como meio de aprendizagem, e demonstrar o que estão produzindo e pesquisando, fazendo trocas de experiências entre os demais acadêmicos e os cursos. É importante ressaltar que os nossos conhecimentos indígenas são iguais ao conhecimento científico. Nossos parabéns pelo Claretiano pelo ENCIC”, conta.

 

Como foi o IV ENCIC:

Quase 100 pessoas participaram das atividades que aconteceram no Claretiano, em Boa Vista. O Encontro contou com duas palestras magnas: ‘Exercício profissional indígena: dedicação ao seu povo, cultura e terra”, com Edite da Silva Andrade e ‘As conquistas e os desafios dos indígenas de Roraima frente aos ataques do capital’, com Jaci Guilherme Vieira. Além disso foram realizadas as seguintes palestras: Educação escolar Indígena: interculturalidade com prática pedagógica; Surdo - Sujeito Bilíngue: problematização acerca da legalidade, teoria e prática educacional; Leis estaduais da educação em função da educação escolar Indígena; Atuação da sociedade na prevenção de doenças contagiosas; Elementos para planejar o currículo escolar numa perspectiva crítica e as seguintes oficinas: As redes sociais na cultura indígena; Sementes das artes – confecção de colares culturais indígenas; Trança de palhas; Tecnologias na Nuvem e suas aplicações e Arte com papel de bananeira; Revitalizando nossas línguas. 

= = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = =