Infelizmente essa página não possui suporte a impressão.

Alunos de Psicologia entrevistam profissionais renomados em projeto prático do curso

17/12/2020 - Rio Claro

Diferentemente de outras profissões, a Psicologia não parou durante a pandemia.

Os profissionais se adaptaram ao novo normal, reformulando a maneira de atender e de lidar com as demandas, mas se mantiveram ativos. Essa realidade não poderia ser diferente para o psicólogo em formação.

"Como o Claretiano já é uma instituição experiente, no que se diz respeito a condições adequadas de ensino a distância, organizar uma disciplina com demanda prática foi desafiador, mas descomplicado", contou Samara Fernanda dos Santos, professora responsável pelo projeto de prática do segundo semestre do curso de Psicologia do Claretiano - Centro Universitário de Rio Claro.

Durante o segundo semestre de 2020, os alunos da primeira turma de Psicologia tiveram o desafio de se envolver com artigos científicos de revistas renomadas e puderam conhecer mais sobre as intervenções exploradas pelas diversas abordagens da Psicologia. Dentre as atividades estavam: acessar revistas de qualidade, pesquisar e selecionar artigos aplicados, ler e fazer resenha dos mesmos, além de realizar uma entrevista com um profissional que trabalha com a abordagem utilizada no artigo.

Com essa atividade, foi possível realizar um treino inicial com os alunos de como agir diante de uma demanda profissional futura, pois o Código de Ética do Psicólogo menciona, no artigo 1-C, que os serviços prestados pelos profissionais da psicologia devem ser reconhecidos e fundamentados na ciência, portanto buscar artigos de qualidade dentro de uma abordagem específica e compreendê-los para posterior uso, é uma prática que deve compor a rotina de todo e qualquer psicólogo, explicou Samara, que também trabalhou com os alunos a disciplina de Fundamentos Epistemológicos, Históricos e Metodológicos da Psicologia.

Os profissionais entrevistados foram escolhidos pelos alunos, sendo que a maioria dos convidados foi bastante solícita e demonstrou interesse pelo trabalho. O aluno Alexandre Boim, por exemplo, entrevistou Dr.ª Ilma Goulart, uma profissional conhecida e respeitada entre os analistas do comportamento pela sua extensa contribuição com pesquisas diversas sobre saúde mental (saiba mais sobre Ilma clicando aqui).

Além de entrevistar uma psicóloga famosa na área, o trabalho de Alexandre ficou excelente, disse Samara. Ele pesquisou várias informações além do exigido e ainda saiu do trabalho "amigo" de Ilma.

Baseado no artigo Avaliação e tratamento de comportamentos: problemas de duas pessoas com o diagnóstico de depressão, Alexandre entrevistou Dr.ª Ilma Goulart, a orientadora da pesquisa supracitada.

Tentei contato com a autora, Letícia, mas sem sucesso, então decidi ir mais longe e contatei a orientadora, Dr.ª Ilma, contou Alexandre. Depois de pesquisar, descobri que ela é grande referência na Psicologia e na Análise do Comportamento, o que me fez querer ainda mais falar com ela.

Alexandre conversou com Ilma por chamada de vídeo e a conversa rendeu muito mais do que uma boa nota na atividade.

A entrevista foi feita numa noite, depois da aula, e ficamos quase duas horas conversando sobre diversos tópicos, em uma conversa amigável, cheia de risos e de histórias fantásticas, contou Alexandre. Para um aluno do primeiro ano de Psicologia como eu, esse tipo de contato é super importante. Poder conversar com alguém que está há anos trabalhando e vivenciando a profissão é essencial para adquirir conhecimento e estrutura para a formação.

Alexandre também agradeceu o incentivo da Prof.ª Me. Samara, e acredita que o trabalho tenha sido essencial para os alunos adquirirem conhecimento e estrutura para a formação.

A Psicologia vai além das salas de aula e dos trabalhos, ela se dá através desse contato com o conhecimento que está sendo desenvolvido e vivenciado por outros profissionais da área. Esse é o tipo de experiência marcante que faz a diferença na formação, concluiu o aluno.

Para Samara, a atividade foi importante por permitir que os alunos, logo no primeiro ano, tivessem contato próximo com a realidade que virão no futuro.

Há, ainda, quem pense que a psicologia se trata de conselhos ou frases clichês de autoajuda, portanto, praticar e divulgar ciência, desmistificando estereótipos incabíveis dentro da profissão é um dever de todos aqueles que atuam ou estudam para atuar nesta profissão, finalizou.

Alexandre Boim, aluno do 1º ano de Psicologia.